Posts Marcados Com: literatura infantojuvenil

(mais) 3 escritoras brasileiras de livros infantis (que não podem ficar de fora de nenhuma lista!)

compre aqui

compre aqui

estava contando pra minha mãe sobre o post da semana passada, quando ela me interrompe indignada: “Mas e a Tatiana Belinky, vai ficar de fora? Não pode escrever sobre autoras de literatura infantil no Brasil sem citar a Tatiana Belinky! Ela marcou a minha infância!!” 😀

tentei argumentar minha escolha, dizendo que não dá pra compará-la com quem esteve numa nota de dinheiro ou com quem fez parte da ABL, mas ela encerrou o assunto me lembrando que foi a Tatiana Belinky (junto com o marido Júlio) quem fez a primeira adaptação do Sítio do Picapau amarelo pra TV!

ok, ok… então, atendendo a pedidos, aqui vão mais 3 escritoras brasileiras de literatura infantil e seus respectivos livros, que não poderiam ter ficado de fora da primeira lista (com um humilde e devido pedido de desculpas…):

compre aqui

compre aqui

Um caldeirão de poemas (Tatiana Belinky, Cia. das Letrinhas)
nascida em 1919 em Petrogrado, na Rússia, Tatiana Belinky veio pro Brasil com 10 anos de idade e aqui ficou. casou-se com o educador e médico Júlio Gouveia, que foi também seu parceiro de projetos televisivos: encenaram Os três ursos na extinta TV Tupi, onde ganharam um programa fixo, e depois adaptaram o Sítio do Picapau Amarelo pra TV. nesta época, Tatiana começa a ser premiada por seu trabalho como escritora e chega a trabalhar na TV Cultura, na Folha e no Jornal da Tarde, como cronista e crítica. em 1987 escreve Limeriques, baseado nos limericks, uma forma poética que usa versos em 5 linhas, e daí passa a escrever vários livros nesse tema (Limeriques do bípede apaixonadoMandaliquesLimeriques das causas e efeitosLimeriques estapafúrdios, entre diversos outros). Um caldeirão de poemas é um bom livro para entender o universo da escritora: tem traduções diretas do russo e do alemão, adaptações de histórias conhecidas e desconhecidas e diversos poemas próprios sobre os mais variados temas – felicidade, tristeza, medo, alegria… junte isso às maravilhosas ilustrações de vários artistas e pronto, um prato cheio para leitores de todas as idades!

ABolsaAmarelaA bolsa amarela (Lygia Bojunga, Casa Lygia Bojunga)
Lygia Bojunga nasceu em 1932, em Pelotas. começou a vida profissional como atriz de rádio e de teatro, escreveu seu primeiro livro em 1972, Os colegas, e não parou mais. foi a primeira brasileira a receber, em 1982, o Prêmio Hans Christian Andersen pelo conjunto da obra, concedido pelo International Board On Books For Young People (filiado à UNESCO), considerado uma espécie de Nobel da literatura infantojuvenil. além dela, só a Ana Maria Machado, em 2000! recebeu também o Prêmio Jabuti, e seus livros já foram traduzidos para dezenas de idiomas em inúmeros países, sendo altamente recomendados na Europa. o livro A bolsa amarela é um dos mais conhecidos da autora, e trata da repressão de 3 vontades da personagem principal, guardados numa bolsa amarela: a vontade de crescer, a vontade de ser menino e a vontade de ser escritora.

compre aqui

compre aqui

Maria vai com as outras (Sylvia Orthof, Ática)
Sylvia Orthof nasceu no Rio em 1932 também. filha de pintores, começou a vida nas artes plásticas, depois foi para o teatro e só mais tarde, em 1979, entra no universo da literatura infantil, passando a fazer parte da Revista Recreio a convite da Ruth Rocha. lança seu primeiro livro para crianças em 1981 e toma gosto pela escrita, passando a escrever cerca de 120 livros infantis e juvenis e peças de teatro! um de seus títulos mais emblemáticos é Maria vai com as outras, que conta a história da ovelhinha Maria que fazia tudo que as outras ovelhas faziam. até que, um dia, ela saca que pode ser dona das próprias vontades.

Anúncios
Categorias: livros, livros infantis | Tags: , , | Deixe um comentário

3 livros para ser detetive – especial autores brasileiros

compre aqui

compre aqui

rapto, sumiço, mistério, pistas falsas, suspeitos, perigo… quem aqui nunca se imaginou detetive por uns dias ao ler um livro bem escrito? elementar, meu caro leitor. a literatura tem esse poder de nos arrancar do nosso cotidiano e nos transformar num personagem envolvido nas intrigas de um mistério policial sem nem a gente perceber. e, quando nos damos conta, estamos parados no ponto de ônibus tentando descobrir quem poderia ter raptado o garoto de ouro ou quem sumiu com o caneco de prata…

se você sabe do que eu estou falando, deve ter lido Marcos Rey, João Carlos Marinho e Pedro Bandeira na escola. para muitos de nós, esses autores foram os responsáveis por nos introduzir ao mundo da literatura de mistério. os detetives desses livros eram jovens como a gente (na época! rs), um grupo de amigos que seguia pistas que os adultos nem percebiam ou achavam trivial demais, até chegarem a suspeitos perigosos através de lógica, dedução e raciocínio (e quase sempre um pouco de sorte).

João Carlos Marinho nasceu em 1935, no Rio, e morou em diversos lugares até se formar em Direito e abrir um escritório de advocacia aqui em São Paulo. em 1969 escreveu O gênio do crime, que introduziu a turma do Gordo aos jovens do Brasil. depois desse, ele escreveu mais 12 livros protagonizados por essa galerinha, tendo recebido o Prêmio Jabuti e o APCA pelo ótimo Sangue fresco, e o Prêmio Mercedes-Benz pelo Berenice detetive. escreveu, ainda, 4 livros para adultos.

Edmundo Donato, mais conhecido como Marcos Rey, nasceu em 1925 em São Paulo e morreu em 1999 aos 74 anos. escreveu durante toda sua vida e em diversos gêneros, como roteiros, contos, crônicas em jornais e revistas, traduções e adaptações, enfim. em 1981 se lançou na literatura juvenil com O mistério do 5 estrelas, protagonizado pelo Leo, mensageiro de um hotel chique, e seus amigos, que reaparece em outros casos nos livros O rapto do garoto de ouroUm cadáver ouve rádio e Um rosto no computador.

Pedro Bandeira nasceu em 1942, em São Paulo, e, apesar de já ter sido jornalista, ator, diretor e redator publicitário, foi como escritor de livros para o público infantojuvenil que ele se consagrou. em 1984, lançou A droga da obediência, voltado ao público jovem, que ele considera seu leitor-alvo, onde Os Karas apareceram pela primeira vez. Miguel, Crânio, Calú, Chumbinho e Magrí ainda aparecem em diversas outras aventuras do autor, como A droga do amor, Pântano de sangueA droga da amizade, entre outros.

esses escritores brasileiros não devem nada a Conan Doyle, Agatha Christie ou Lemony Snicket. O gênio do crime, por exemplo, foi lançado em 1969 sem alarde e conquistou toda uma legião de fãs, responsáveis pelas 60 edições do livro! isso, aqui no Brasil, é uma raridade. mas tem razão de ser: são livros super bem escritos, repletos de elementos indispensáveis a uma boa história de detetive, e ainda por cima com personagens parecidos com o leitor jovem.

então, se você tem filhos (sobrinhos, netos, afilhados, alunos…), não deixe de apresentar a eles esses “gênios do crime” brasileiros! e se você, como eu, estiver com saudades dessa galerinha-espiã, vale a releitura! 😀

compre aqui

compre aqui

O gênio do crime (João Carlos Marinho, Global)
quem já colecionou figurinhas sabe que tem aquelas raras, que quase nunca saem e que valem ouro. para completar um álbum é preciso paciência, estratégia e sorte, e, neste livro, Seu Tomé dava prêmios a quem realizava essa façanha. mas uma fábrica clandestina começa a inundar a cidade com as figurinhas raras, fazendo com que não haja prêmios para todos que completam seus álbuns. em meio à revolta geral, Gordo, Edmundo, Pituca e Berenice se aventuram em descobrir quem está por trás desse plano maligno e o que querem os criminosos. o chefe da quadrilha, um verdadeiro ‘gênio do crime’, trava um verdadeiro duelo de inteligências com o Gordo. quem vai ganhar?

compre aqui

compre aqui

O mistério do 5 estrelas (Marcos Rey, Global)
Leo, um garoto de 16 anos que trabalha como mensageiro do Hotel Emperor Park, famoso por acolher gente muito conhecida e poderosa, descobre um cadáver embaixo da cama de um hóspede particular, o Barão. apesar de contar à polícia o que viu, Leo e seus amigos Gino e Ângela vão tentar desvendar o mistério por conta própria, e acabam por se encontrar em maus lençóis…

compre aqui

compre aqui

A droga da obediência (Pedro Bandeira, Moderna)
Miguel, Crânio, Calú, Chumbinho e Magrí são cinco estudantes do Colégio Elite, em São Paulo, que começam a perceber que vários alunos das melhores escolas da cidade estão sumindo. decidem seguir as pistas e descobrem que o cientista Doutor Q.I. está usando esses adolescentes para testar uma arma para seu plano maligno: uma droga capaz de fazer com que qualquer pessoa se torne obediente e passiva.

Categorias: literatura, livros infantis | Tags: , , , | 3 Comentários

“A coisa terrível que aconteceu com Barnaby Brocket” – resenha

compre aqui!

compre aqui!

A coisa terrível que aconteceu com Barnaby Brocket
John Boyne (ilustrado por Oliver Jeffers)
Cia. das Letrinhas
256 pgs
2013
r$34

eu assumo: sou o tipo de pessoa que compra livro pela capa. 😛
e como a capa e as ilustrações internas são do Oliver Jeffers, comprei A coisa terrível que aconteceu com Barnaby Brocket sem pensar duas vezes. e, como era de se esperar, me dei bem!

o livro é ótimo! aliás, acho que ele representa bem o modo como eu descrevo a boa literatura infantojuvenil: tem ilustrações, tem um título instigante, tem uma narrativa gostosa e fácil de ler (sem ser simplista, aaaargh!) e apresenta um tema profundo que pode ser lido sob várias perspectivas, dependendo da bagagem cultural e experiência de vida de cada leitor.

pois estava eu curtindo o livro quando, lá pelo primeiro quarto da história, uma “coisa terrível” acontece com nosso querido Barnaby! mas terrível mesmo, a ponto de me deixar meio perplexa por aparecer numa história aparentemente inofensiva! cheguei até a comentar com meu marido na hora e fiquei pensando nisso por um tempo. a verdade é que eu amei que o autor tenha colocado isso na história! aplaudo de pé autores que não tratam crianças como debiloides despreparados e que escrevam sobre temas importantes a respeito do que é a vida de verdade.

daí que fui investigar quem era o autor, de quem vergonhosamente nunca tinha ouvido falar. John Boyne é autor do Menino do pijama listrado e muitos outros livros adultos interessantíssimos. além de escrever super bem – o que não é prerrogativa de escritores famosos hoje em dia, infelizmente – ele tem isso de abordar temas complexos e profundos em suas histórias. ganhou pontos comigo por ter feito a mesma coisa num livro infantil, sem ser grotesco ou pesado, mas de modo fantástico e sutil!

é claro que não vou contar aqui o que aconteceu com o Barnaby Brocket, nem se no final foi bom ou ruim (embora você já deva imaginar, né?). para isso, você precisa ler o livro – dá pra comprar direto por aqui!

boa leitura e até breve!

o que será que aconteceu com o Barnaby Brocket??

o que será que aconteceu com o Barnaby Brocket??

Categorias: livros, livros infantis | Tags: , , , , , , | 4 Comentários

Top 10 editoras brasileiras de livros infantis

O fim do ano vem chegando e, com ele, vem a vontade incontrolável de fazer listas! Dentro do meu assunto preferido, sempre vejo rankings de livros infantojuvenis, mas a produção editorial neste ramo é tão vasta (oba!) que listas de 10 melhores mal dão conta de tudo que é bom e merecedor de menção.

Assim, achei que poderia ser uma boa ideia listar aqui, pra vocês, algumas das editoras brasileiras que eu considero fundamentais na produção dos livros que nossos filhos precisam ter em sua biblioteca. Vale a pena ficar sempre de olho no catálogo e nos lançamentos dessas editoras!

  1. Cia. das Letras
    A editora está subdividida em diversos selos, cada um focado num público diferente – e a Cia. das Letrinhas é o selo voltado para crianças jovens. Se você curte literatura infantojuvenil, tenho certeza que já pegou nas mãos algum livro da Cia. das Letrinhas um dia!
    São desta editora os livros Saudade, do Claudio Hochman, e A história das estrelas, do Neal Layton, que foram Livro do Mês do clubinho Astronautas de Histórias!
  2. Cosac Naify
    Alguns dos livros mais bonitos que já vi publicados no Brasil são desta editora! Dizem que não se deve julgar um livro pela capa, mas é perfeitamente justificável se apaixonar por um por causa da edição!
    O livro infantojuvenil mais vendido na última edição da Feira do Livro da USP foi Contos maravilhosos infantis e domésticos, vols. 1 e 2, dos irmãos Grimm, publicado pela Cosac Naify. Meu livro preferido do coração, A árvore generosa, do Shel Silverstein, também é deles! 😉
  3. Pulo do Gato
    A editora tem poucos anos de vida, mas já é dona de um catálogo infantojuvenil de encher os olhos! Também subdividida em 4 selos (para leitura acompanhada, leitores autônomos, clássicos da literatura e formadores de leitores), seu livro Para que serve um livro?, da Chloé Legeay, aparece em diversas listas de leituras altamente recomendáveis!
  4. Salamandra
    Parte da Editora Moderna, a Salamandra tem vários livros que a gente encontra facilmente nas livrarias, como os livros da Peppa (aff!), mas eles também publicam o incrível Oliver Jeffers, escritor e ilustrador super talentoso, criador de PresosO incrível menino devorador de livros!
  5. Pequena Zahar
    Selo da maravilhosa Editora Zahar voltado para os pequenos, lançou este ano o lindo Orie, da Lúcia Hiratsuka, e A raiva, do meu casal preferido Blandina Franco e José Carlos Lollo. Vale a pena dar uma olhada!
  6. Biruta
    Junto com sua “editora-irmã” Gaivota, elas são especializadas em literatura infantil e juvenil, respectivamente. Dá uma olhada no premiado O tamanho do meu sonho e A peixinha Ina e o Sol, do polonês Przemyslaw Wechterowicz.
  7. Rocco
    É uma editora com anos de “janela”, especializada em best sellers internacionais. Recentemente lançou o selo Pequenos Leitores, através do qual publicou livros como O dia em que troquei meu pai por dois peixinhos douradosOs lobos dentro das paredes, ambos do premiado Neil Gaiman, e os livros do Pequeno Nicolau, personagem criado por René Goscinny, autor das aventuras de Asterix!
  8. Ciranda Cultural
    Uma editora bastante prolífica, mais conhecida por livros de atividades como livros de adesivos ou de colorir, mas que, de repente, publica umas pérolas como As aventuras de Pinóquio, história do Carlo Collodi adaptada pela Stella Gurney, fantasticamente ilustrado pelo Zdenko Basic e pelo Manuel Sumberac. Uma das edições mais bonitas que já encontrei, de deixar a Disney no chinelo! 😛
  9. Brinque Book
    Também muito produtiva, tem um catálogo bastante extenso. Não é tudo que tem a ver com o que eu considero boa literatura infantojuvenil, mas tem muita coisa legal e premiada. O pirata Nhac, do Jonny Duddle, é deles. 😉
  10. WMF Martins Fontes
    Editores de vários livros incríveis, o catálogo infantojuvenil deles tem autores imprescindíveis como CS Lewis e JRR Tolkien.
Categorias: livros, livros infantis | Tags: , , , | 6 Comentários

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Mães Loucas

porque "mãe louca" é redundância.

Mãe-solteira recém-casada

porque "mãe louca" é redundância.

porque "mãe louca" é redundância.

Mamatraca

porque "mãe louca" é redundância.

bora.ai blog

bora aí blog - dicas

Minha Mãe que Disse!

porque "mãe louca" é redundância.

Pequena que pariu

porque "mãe louca" é redundância.

O Blog da Sofia

Tudo sobre bebês e ser mãe, da gravidez ao nascimento do filho.