E mais um dia das mães….

Helloucas!!!!

Essa semana foi repleta de homenagens, né?

Fotos, vídeos, textos… Uns mais previsíveis (com o tempo até mãe consegue perceber isso, hahaha) outros bem emocionantes….. E por todos os meios de comunicação: tv, radio, redes sociais, e-mail, zazaps….

FullSizeRender (2)

Acho que toda menina já nasce meio “mãe” né??? Acho muito louco isso…

E eu queria compartilhar uma dessas mensagens com vocês… Recebi por zazap da minha vizinha Jane (obrigadaaaa!). Esse texto foi escrito♥♥ pela da Ruth Manus, blogueira colunista do Estadão que eu acompanho e confesso que adoro como escreve!!!

O que eu gostei nesse texto é que ele prevê algo que a gente nunca imagina que vá acontecer um dia: o crescimento dos filhos… Eu fiquei numa crise doida, pensando no futuro, relembrando o passado como filha, depois como mãe, enfim, pirei na batatinha e continuei um exercício que eu adotei há um tempo: me policiar para que o tempo com os filhos seja realmente dedicado a eles, sem as ações demoníacas intervenções e apitos constantes das rede sociais e zazap.

A vida passa rápido demais pra gente perder tempo com bobagens e brigas bestas…. Se eles querem atenção, paro o que eu faço, se querem colo eu dou sim e se correm para a minha cama, finjo que não estou vendo e “pesco” eles para junto de mim!!! Afinal como uma amiga me disse: “quando casarem não vão mais querer dormir com você…” E me veio logo a lembrança de que, num determinado momento, eu não queria mais dormir com a minha mãe quando meu pai viajava, porque eu achava apertado e não queria dividir aquele espaço… Mal sabia o que estava por vir!!!

ML Dia das maes

E assim… queria compartilhar com vocês o texto “oscar revelação” de 2015. Espero que gostem!! E se gostarem, contem para a gente e também para a Autora! Tenho certeza que ela vai adorar saber!!! 😉

FELIZ DIA DAS MÃES!!!!! para minha querida mãe, minha sogra, avós, cunhada linda e todas as minhas amigas que se envolvem tão plenamente nessa loucura…

Bjos e até a próxima!!!

ML eu e mae

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

“Mãe, senta aqui, me ouve um pouco.

Tá na hora de você dar uma sossegada.

Mãe, pára um pouco. Dois minutinhos só. Sei que a ideia de parar não existe para você, mas eu tô pedindo. Baixa a frequência, senta no sofá, alguém cuida de todo o resto, vai por mim.

Eu sei que não importa quantos anos passem, você tem a eterna sensação de que é responsável por tudo. Pela sua vida, pela minha, pela dos que nos cercam, pelo seu trabalho, pelo meu trabalho, por tudo- inclusive o que está absolutamente fora do seu alcance.

Sei que não adianta eu te dizer que sou adulto, sei que você nunca vai aceitar a ideia de que já não está mais no comando.

Pois é, mãe. Mas o fato é que me flagrei adulto. Não só por causa do trabalho, das responsabilidades e cobranças. Me percebi adulto num certo dia perdido no passado. Dia em que engoli o choro para que você não visse. O dia em que disse em que estava tudo bem quando o peito estava cheio de fantasmas. O dia em que esperei você virar as costas para poder desmoronar.

Por quê? Porque eu sabia que, de um jeito ou de outro, as coisas se ajeitariam. E não ia ser através das suas mãos. Então, por que te preocupar? Por que te angustiar mais do que você já se angustia por conta própria?

Mãe, eu parei de depender da sua barriga, parei de depender do seu peito, parei de depender das mamadeiras quentinhas, parei de depender da ajuda no banho, parei de depender da sua carona.

Mas você nunca parou de se preocupar. Talvez se preocupe ainda mais agora, porque sabe que o voo é cada vez mais alto.

Você se lembra das centenas de vezes em que eu gritei “EU QUERO A MINHA MÃE!” quando era criança? Na verdade eu não queria. Eu precisava. Precisava do seu colo, do seu beijo na testa, do seu cafuné, do seu cheiro. Precisava, porque sem você não havia chão.

Hoje eu não preciso, mãe. Você já me ensinou a amarrar os sapatos, andar olhando pra frente, levantar das quedas, limpar as lágrimas, rir de mim mesmo e seguir em frente. Mais do que me ensinar, você foi o exemplo vivo disso.

Sério mãe, o mundo gira sem que você o empurre. E eu me viro sem que você perca o sono. Porque chegamos num ponto da vida em que eu perco o sono ao te ver sem dormir. Essa dinâmica já não faz mais sentido.

O famoso “eu quero a minha mãe!” é agora. Agora eu quero você. Mas quero você tranquila, ouvindo minhas histórias, mexendo no meu cabelo, rindo comigo, opinando, discordando. Não de peito apertado. Não suspirando pelos cantos achando que eu não vou encontrar o caminho certo. Eu vou. Você me deu o melhor mapa.

Aceite meu presente desse ano: uma relação de amor e de parceria, não mais de dependência, nem prática, nem emocional. Tanto minha quanto sua.

Meu presente, na verdade, é quase um pedido. Essa noite, mãe, deite a cabeça no travesseiro sabendo que está tudo bem. Que mesmo quando minha vida estiver dura, você não precisa ficar com os olhos arregalados, olhando para o teto buscando saída. Isso é comigo.

Você construiu uma pessoa com o que havia de melhor em você. Deu o que tinha e o que não tinha para me fazer feliz e sólido. E eu estou aqui, consciente da minha sorte e da minha força.

Olhe por mim, peça por mim, orgulhe-se de mim. Deixe-me ser de novo a luz dos seus olhos, como fui quando era um bebê sorridente. Não me iludo, achando que você vai parar de se preocupar. Sei que é impossível. Mas deixe-me hoje ser eu quem te abraça e te diz baixinho: está tudo certo.”

Anúncios
Categorias: geral | Deixe um comentário

Navegação de Posts

palpita aí!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Mães Loucas

porque "mãe louca" é redundância.

Mãe-solteira recém-casada

porque "mãe louca" é redundância.

porque "mãe louca" é redundância.

Mamatraca

porque "mãe louca" é redundância.

bora.ai blog

bora aí blog - dicas

Minha Mãe que Disse!

porque "mãe louca" é redundância.

Pequena que pariu

porque "mãe louca" é redundância.

O Blog da Sofia

Tudo sobre bebês e ser mãe, da gravidez ao nascimento do filho.

%d blogueiros gostam disto: