bebê de vestir

bom dia, pessoal!

acho razoável supor que todos aqui sabem o que é um sling, não? imagino que muitos tenham usado ou, pelo menos, visto fotos de celebridades saindo com seus bebês enrolados junto ao corpo. pois saibam que, muito antes de cair nas graças dos ricos-e-famosos, os carregadores de bebês já eram amplamente usados por mães ao redor do mundo há milhares de anos!

além dos benefícios práticos para a mãe-polvo moderna –poder segurar seu bebê e ainda ter duas mãos livres para agarrar um filho no meio da rua e outra para segurar o café, fora as mochilas penduradas nos ombros e o telefone na orelha–, existem múltiplos benefícios para o amadurecimento emocional do seu recém-nascido. segundo a Teoria da Exterogestação (ou gestação extra-uterina), o bebê humano não nasce completamente “pronto”. nós somos enxotados do corpo materno no momento exato em que estamos razoavelmente maduros e com a cabeça de tamanho limite para não “arrebentar a boca do balão”, se é que você me entende. com isso, existe um período em que o bebê ainda está sendo “gestado”, mas agora fora do útero; considera-se que só estamos realmente “no ponto” quando aprendemos a nos locomover, que é quando o mini-humano estaria apto a se defender de possíveis predadores, caso se visse sozinho no mundo. por isso é tão importante “vestir-se” com seu bebê durante esses primeiros meses, como faríamos caso ele pudesse continuar em nossa barriga sem corrermos o risco de virar um hospedeiro à la Alien, o oitavo passageiro…

dito isso, vamos aos diferentes modelos. sim, porque existe uma infinidade de modelos de carregadores para agradar todos os gostos, bolsos e tamanhos de mãe. para dar um toque pessoal à lista, vou descrever os modelos que já testei e seus prós e contras para mim.

Elis, antes de completar 1 mês, "perdida" no sling

Elis, antes de completar 1 mês, “perdida” no sling

sling de argola

foi o primeiro modelo que tive, comprado antes mesmo de a Elis nascer. é um dos modelos mais conhecidos e parece uma tipoia: são uns 2 metros de tecido enrolado no corpo da mãe, passando pelo ombro e pela bacia, preso a duas argolas. é prático de vestir, mas confesso que não soube usar com bebês tamanho micro. achei que eles ficavam muito perdidos lá dentro daquele monte de pano… curti muito usá-lo quando a Elis tinha uns 6 meses em diante, porque ela já sustentava a coluna, e eu usava com ela de lado, sentada sobre meu quadril.

Chico feliz indo pro Cinematerna

Chico feliz indo pro Cinematerna

Elis, aos 5 meses, no wrap

Elis, aos 5 meses, no wrap

wrap

é o “pano de amarrar”, literalmente. um tecidão de 5–6m por uns 70cm que envolve seu corpo e o do bebê juntinhos em várias posições diferentes. curti muito usar até a Elis conseguir sentar sozinha, porque permitia que ela ficasse sempre barriga-com-barriga comigo, e isso a deixava muito calma e feliz. e a mim também! apesar de ser o mais complicado de vestir (só amarrar no corpo leva uns bons 5 minutos…), é um dos melhores para ficar em casa com o bebê, por ser confortável e ajustável.

Elis 776

Elis segura no wrap

Chico na mochila favorita

Chico na mochila favorita

mochila

primeiro tive uma daquelas mochilas bem conhecidas, tipo Chicco, que permitem que o bebê fique de frente pro mundo. daí descobri que elas não são muito amigas da ergonomia, porque o bebê fica apoiado pelo quadril e pode resultar num deslocamento da bacia, além de a posição “vista panorâmica” não ser a mais apropriada pra um bebê muito pequeno por causa da quantidade ininterrupta de estímulos. quando o Chico nasceu, comprei uma super mochila chamada Ergobaby, que, como o próprio nome indica, é ergonomicamente correta, apoiando seu baby pelo bumbum, com as perninhas dobradas estilo “sapinho”. essa é sensacional, e eu usei muuuuuuuuito! dentre as inúmeras vantagens, tem a de ser muito resistente, podendo carregar até 20 kg de criança!! o Chico foi muito transportado na nossa imbatível mochila cinza desde bebê, com a “conchinha”, e depois maiorzinho, me salvando do perrengue de ter que dar banho na Elis, na natação, sem largá-lo no vestiário sozinho lambendo o sabonete alheio. só parei de carregá-lo na mochila quando engravidei do Caetano. recomendo esse modelo principalmente para transportar o figurinha do ponto A ao ponto B (e ao C, D, E, quanto suas pernas aguentarem), por ser o mais resistente e ergonômico – para mãe e bebê.

vista "aérea"

vista “aérea”

Caetano "moitando" no pouch da Fê

Caetano “moitando” no pouch da Fê

pouch sling

eu já conhecia esse modelo desde os tempos de mini-Elis, mas confesso que nunca me chamou a atenção. é um tecido costurado em círculo ao invés de ser preso por argolas, mas é usado como o sling de tipoia tradicional. pois eis que a Fê me empresta o dela quando o Caetano estava para estrear no mundo e, pasmem!, nós nos super adaptamos a ele!! é de longe o mais prático de todos os modelos: basta “vestir”. não tem ajustes nem travas, então é só colocá-lo no ombro e inserir o bebê, que pode ser carregado de frente pro mundo com as perninhas em lótus, deitado como numa rede (ê, vidão!), barriga-com-barriga, sentado no quadril… este modelo, assim como o wrap, são os que mais recomendo para vestir seu bebê em casa, por serem os mais confortáveis e maleáveis.

muitos desses modelos podem ser usados com crianças um pouco maiores, portanto se você perdeu a oportunidade de vestir seu filho durante os primeiros meses de vida, aproveite e leve-o pra passear num sling! as crianças se sentem seguras quando estão perto do nosso corpo, e esse apego é super saudável. aliás, to lendo um livro bacanérrimo sobre a Teoria do Apego, escrito por uma mãe famosa…….. mas vamos a ele noutro post! 😉

aqui tem uma lista de lugares onde encomendar seu sling, um ou outro tutorial sobre como fazer o seu próprio sling, vídeos ensinando a usar os carregadores e links para conhecer mais sobre a Teoria da Exterogestação e por que não levar seu filho de frente pro mundo.

sling, porque vestir seu bebê nunca sai de moda! 😉

Anúncios
Categorias: roupas | Tags: , , , , | 2 Comentários

Navegação de Posts

2 opiniões sobre “bebê de vestir

  1. Gabriela Chamusca

    Eu adorava isso! Mas confesso que na Mari (2) já não tinha mais coluna para eles… Na época do João (7) tinha uma do tipo mochila que chamava de canguru… ele adorava e usei bastante tempo… mas menos que os sling possibilitam. Na época da Cacá (4) comprei o sling que estava na moda (na época do João não tinha visto dele…). Mas não consegui usar… achava que a argola não segurava direito e não me sentia segura; na verdade acho que não soube usar! Mas este pouch sling é o máximo!!!! Acho que ia adorar!!!! Parece uma bolsa!

    • Gabi, esse pouch é muito prático mesmo! como o Caetano é bastante chorão, fico bastante com ele no sling dentro de casa mesmo. ele adora!
      beijo!

palpita aí!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Mães Loucas

porque "mãe louca" é redundância.

Mãe-solteira recém-casada

porque "mãe louca" é redundância.

porque "mãe louca" é redundância.

Mamatraca

porque "mãe louca" é redundância.

bora.ai blog

bora aí blog - dicas

Minha Mãe que Disse!

porque "mãe louca" é redundância.

Pequena que pariu

porque "mãe louca" é redundância.

O Blog da Sofia

Tudo sobre bebês e ser mãe, da gravidez ao nascimento do filho.

%d blogueiros gostam disto: