Sobre livros para gestantes e a massificação cor-de-rosa

Que sou uma traça devoradora de livros acho que todos já perceberam. Então, quando engravidei pela primeira vez, fui atrás de tudo que conseguia sobre gestação: livros sobre a gravidez e o desenvolvimento do feto, livros sobre como ser uma gestante saudável, livros sobre o que vestir, livros sobre o que comer, livros sobre o que ler…

Acho que o primeiro livro que peguei (ainda dentro da Livraria Cultura) foi o famoso O que esperar quando você está esperando (Eisenberg, Hathaway & Murkoff, Editora Record). Eu tinha grandes expectativas a respeito desse livro, mas a primeira coisa que li nele foi algo do tipo “capítulo um: doenças e problemas que podem ocorrer durante a gestação”!!! Larguei o livro no mesmo instante e economizei quase uma centena de reais. Uns dois anos depois, durante minha segunda gestação, descobri que o livro até que é interessante. Parece que tem um “mês-a-mês” do desenvolvimento do bebê e várias dicas e fatos curiosos. Não cheguei a lê-lo, mas uma prima, que estava grávida na mesma época, leu e aprovou!

Várias pessoas, principalmente amigas que já eram mães, foram me dando/emprestando seus livros preferidos ao longo da minha primeira gestação. A maioria que li detestei, porque tratam a gestante como um ser etéreo e cor-de-rosa, mimoso e meigo, que passa os dias olhando o quarto do bebê e sonhando com uma criança rechonchuda, cheia de babados e frufrus. (Dê uma busca no site da Cultura por ‘gestante’ ou ‘grávida’ e veja os títulos. Dá vontade de chorar!)

Espera: eu não me sentia assim! Minha gestação (e as subsequentes) foram muito tranquilas, quase sem sintomas incômodos, mas em nenhum momento eu deixei de ser eu mesma – uma pessoa basicamente não-mimosa. Por que eu haveria de passar a ser a “gestante de comercial da Johnson’s” de uma hora para outra, só porque havia um ser se desenvolvendo na minha barriga?

Um dos livros emprestados que entraram para lista negra é o Grávida e bela (veja o nome! veja a capa! – Carla Goes Sallet, Ediouro). É basicamente um manual de como ser uma mulher meiga e lilás, que passa 9 meses se besuntando de óleo contra estrias e usando batas e calças com elástico, sonhando com as bochechas róseas do seu futuro rebento. Bucólico, para dizer o mínimo.

O A vida do bebê (Rinaldo de Lamare, Editora Agir) é uma bíblia sobre puericultura e gestação. Me foi emprestado pelo meu querido pai, médico, e estava bem cotado… até eu ler a introdução, em que o famoso médico falava sobre algo como ‘sobre a não necessidade de amamentar o bebê’ ou ‘os benefícios do parto cesárea’. Eu, pouco radical, não consegui continuar porque já tinha percebido que o Sr. Lamare e eu divergíamos em relação a ideais básicos da maternidade. Talvez numa próxima gestação, talvez numa outra vida.

Tenho vários outros exemplos do que não ler quando não se é uma gestante de comercial de fraldas, mas não vou encher este post com propagandas de ideias em que não acredito. (Se quiserem nomes, peçam nos comentários que eu os darei com prazer.) Agora, se você foi, é ou será uma gestante cor-de-rosa, sinta-se feliz em saber que existe uma vasta biblioteca feita especialmente para o seu momento!

Dos livros que mais gostei, Receitas para grávidas (Flavio Garcia de Oliveira, Matrix Editora) é com certeza um deles. Eu sempre comi meio displicentemente, nunca gostei de ou soube cozinhar, então a gravidez foi um peso no quesito gastronomia e nutrição! Mas este livro é super gostoso de ler e tem vários tipos de receitas, inclusive para as gestantes vegetarianas.

Acabei descobrindo que as leituras mais interessantes sobre gestação estavam no mundo vivo da internet, em blogs e sites específicos. Um dos sites menos cor-de-rosa de que eu gosto bastante é o Babycenterbrasil.com.br, curiosamente da Johnson’s. Lá você pode calcular sua DPP (data prevista do parto), recebe informações semanais sobre o desenvolvimento intrauterino, pega dicas de nomes (ou evita os 100 mais famosos, no meu caso) e pode até discutir com outras gestantes em fóruns específicos.

A blogosfera pulula de informações de primeira mão vindas de mães de primeira viagem. Não dá nem para criticar; tem leituras para todos os gostos e cores.

Se você está grávida – ou está pensando em entrar para este mundo-cão –, mergulhe na sessão de puericultura das grandes livrarias e informe-se – ou pelo menos ria muito!

[Disclaimer: a autora deste post não tem a intenção de ofender ninguém, cor-de-rosa ou não. Este post tem a simples intenção de ser um desabafo sobre uma situação de não-conformidade com o ‘padrão’. Se você porventura se sentir ofendida, aceite minhas humildes desculpas, sabendo que os hormônios da gravidez às vezes podem ser cruéis não-intencionalmente…]

 O que esperar quando você está esperando

 editora Record

 2010

 784 páginas

 r$74,90 (Livraria Cultura)

 Grávida e bela

 editora Senac

 2009

 288 páginas

 r$80,31 (Livraria Cultura)

 A vida do bebê

 editora Agir

 2008

 800 páginas

 r$119,90 (Livraria Cultura)

 Receitas para grávidas

 Matrix Editora

 2008

 184 páginas

 r$42 (Livraria Cultura)

Anúncios
Categorias: livros, livros sobre maternidade, livros sobre puericultura | Tags: , , , , | 1 Comentário

Navegação de Posts

Uma opinião sobre “Sobre livros para gestantes e a massificação cor-de-rosa

  1. Juliana

    Adorei o post! Muito divertido.. 🙂 Veio em ótima hora… Beijos

palpita aí!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Mães Loucas

porque "mãe louca" é redundância.

Mãe-solteira recém-casada

porque "mãe louca" é redundância.

porque "mãe louca" é redundância.

Mamatraca

porque "mãe louca" é redundância.

bora.ai blog

bora aí blog - dicas

Minha Mãe que Disse!

porque "mãe louca" é redundância.

Pequena que pariu

porque "mãe louca" é redundância.

O Blog da Sofia

Tudo sobre bebês e ser mãe, da gravidez ao nascimento do filho.

%d blogueiros gostam disto: